Obtuários

Aracruz perde Marcelo Vilastre

Postando em:

O município de Aracruz perdeu, nesta quarta feira, Marcelo Vilastre Minto, um exemplo de pessoa. Vice- presidente municipal do Partido Democratas, Marcelo era muito admirado pelo excelente trabalho que desenvolveu quando foi coordenador da Defesa Civil Municipal de Aracruz, principalmente no final do ano de 2014 quando Aracruz enfrentou uma das maiores enchentes de sua história e Vilastre passou a ser visto por muitos como herói.

Aos 50 anos, Marcelo tinha problemas de pressão e segundo sua filha, Ariana Silva Vilastre, 26 anos, ele passou mal na tarde da última terça feira (19) e foi levado para o Hospital São Camilo, onde ficou internado. Na tarde desta quarta feira tudo parecia bem e durante visita de familiares veio a boa notícia: Marcelo receberia alta.

Pouco depois das 16h, feliz por poder voltar para casa, nosso herói toma um banho no hospital quando teve um mal súbito. Uma equipe médica realizou procedimentos na tentativa de reanimá-lo, mas o grande coração de Marcelo parou de bater para não mais voltar.

Ainda de acordo com a Ariana, aparentemente a morte teria sido causada por um infarto, mas os exames realizados não mostraram alterações nos batimentos cardíacos. O corpo foi encaminhado para um setor chamado SVO, no próprio hospital, que ficou de divulgar o laudo nesta quinta feira (21).

Marcelo morava em Mar Azul com sua companheira Shirley Lombard. Ele deixa ainda três filhas e um filho de relacionamentos anteriores.

Na rede social, muitas pessoas deixaram mensagens na página pessoal de Vilastre se despedindo do amigo.

Sepultamento

O sepultamento de Marcelo Vilastre será nesta quinta feira, no Cemitério de Santa Cruz. O velório ocorre na capela local, a partir das 15h.

Marcelo Vilastre como coordenador da Defesa Civil Municipal

Em novembro de 2014 Aracruz enfrentou uma das maiores enchentes da sua história e centenas de famílias tiveram que deixar suas casas. Na ocasião, Vilastre coordenava a Defesa Civil Municipal e mostrou total dedicação no socorro às famílias que tentavam salvar seus pertences ou mesmo a própria vida.

Marcelo era quase sempre a primeiro alento das vítimas da enchente. Nosso herói não respeitava horário e nem os limites do corpo. Falo como jornalista que cobriu todo esse triste evento para uma emissora de rádio e que tinha inúmeros contatos diários com o Marcelo. Durante o dia, noite ou madrugada, não foram poucas as vezes que nosso herói deixou de atender minhas ligações por estar dentro d’água convencendo pessoas a deixar locais de risco ou resgatando pertences daquelas famílias para amenizar os prejuízos. Sempre que podia, atendia a imprensa possibilitando as atualizações dos boletins sem nunca reclamar do interminável trabalho. Poucas vezes vi tanta dedicação em uma só pessoa!

Acrescento que Marcelo Vilastre não foi o único herói dessa história. Ele sempre fez questão de valorizar sua equipe de trabalho, os também incansáveis homens do Corpo de Bombeiros e tantas outras pessoas que não mediram esforços naqueles momentos de grande dificuldade.

Por Josimar Silva