Cultura

Índios guaranis de Aracruz começam a preparar nova aldeia

Postando em:

O município de Aracruz em breve terá mais uma aldeia indígena. A décima segunda aldeia se chamará Nova Esperança ou, em guarani, Ka Agui Poram e será formada em uma área de aproximadamente 504 hectares localizada a aproximadamente 6 km de Mar Azul. A área era ocupada por uma enorme plantação de eucalipto e passou a ser propriedade indígena após a última demarcação de terras. A área hoje pertence às aldeias Boa Esperança, Três Palmeiras e Piraqueaçú, que permitiram a formação da nova aldeia no local.

De acordo Wera D Jekupe, mais conhecido como Marcelo Guarani, que hoje coordena a ocupação, um dos objetivos com a formação da aldeia é proteger a fauna, que tem sido alvo de caçadores. Na área existem duas reservas naturais que compreendem o Rio Sauê e uma nascente protegida pela floresta. Ainda segundo Marcelo, a aldeia Nova esperança não será formada por casas de alvenaria.

“Vamos construir ocas da forma tradicional e preservar a língua, a dança, o artesanato e toda a cultura guarani. Estamos recebendo apoio de indígenas e não indígenas para construção das ocas, disse o líder.

Para a construção da nova aldeia, não haverá necessidade de desmatamento e, ao contrário, serão formados corredores ecológicos. Para isso, os índios pretendem produzir mudas nativas em um viveiro a ser montado com recursos já liberados de um projeto ecológico. Na área serão plantadas mudas de árvores nativas e frutíferas como forma de produzir alimentos para a fauna e humanos.

Outra iniciativa que visa à alimentação dos indígenas são as plantações e culturas como abóbora e aipim produzidos sem a utilização de agrotóxicos e poderão ser comercializados para fora da aldeia.

Os trabalhos de construção da aldeia já tiveram início de forma lenta, mas a expectativa de Marcelo Guarani é de que em no máximo dois meses, ao menos cinco famílias já devam estar morando na Aldeia Esperança.

Segundo Marcelo, Aracruz hoje tem cerca de seis mil índios, sendo cerca de 550 guaranis e a maior parte é formada por tupiniquins.